sábado, 18 de março de 2017

Reforma Previdenciária Quanto à Profundidade: A farsa que se propaga





Nildo Lima Santos. Consultor em Administração Pública

Na verdade está tudo dentro do script. Tudo planejado para tirar o foco da lava jato, ao tempo em que, mobiliza toda a sociedade para as ruas, com a oportunidade para os sindicatos, já desgastados - que são de esquerda, cuja maioria segue a cartilha dos petistas! -, e militantes ganharem corpo em uma causa única promovida pelo governo em conluio com os seus comparsas das esquerdas e de um mesmo esquema de poder criminoso que assaltou este país. A regra é as esquerdas tomarem as ruas e, de preferência, ao lado do povo que reclama pela mesma causa e, daí, vão se tolerando e se aceitando em uma causa, em tese, que é de todos. Os parlamentares terão a oportunidade para se colocarem ao lado do cidadão trabalhador em desfavor da proposta do governo e, o governo com seus cúmplices terão um novo discurso para conter os ânimos dos que estão contra a podridão dos poderes da república, daí, os focos são desviados da lava-jato, da roubalheira dos líderes partidários, ex-presidentes, e de seus aliados políticos, do escandaloso assalto aos cofres públicos pelos empresários e políticos em geral. O foco passa a ser a previdência que tem mais de 70% da população ativa brasileira, na sua dependência, no presente e/ou no futuro. O coro nos gritos da esquerda e da direita, passará a ser um só e, portanto, passarão a ser confundidos uns com os outros, pela visão da população e efetivamente pelos eleitores, nas pautas do congresso e da imprensa em geral.  É a oportunidade para jogarem os botes salva-vidas para todos. O bote salva-vidas é efetivamente o recuo planejado e negociado do governo das suas propostas de reformas que existem apenas como estratégia de se manterem nos Poderes da República na geração de uma imensa confusão para a sociedade e, articuladamente, eles, os integrantes dos Poderes, na calada das noites desenharão mais uma triste história para esta Nação enganando-a e acomodando-a à aceitação de tudo que tramam que terá como resultados um amanhecer de dias de ilusão, decepção e penúria, sob as rédeas de um sistema criminoso que a cada dia lança suas teias de domínio para o rumo à eternização dos poderes dos bandidos. As Forças Armadas precisam estar alertas para o golpe que mais uma vez se desenha contra o Brasil.

A estratégia lançada pelos governantes, pela farsa nos objetivos, esperam que se cumpra e surta efeitos em suas intenções, já estando convictos que rigorosamente acontecerão – caso não haja uma intervenção e freio a tais propósitos –, dado ao fato de se saber qual o comportamento do povo brasileiro, quanto aos seus desvios de caráter que admite a tolerância aos oportunismos e crimes, quando diretamente e/ou indiretamente são obtidas vantagens individuais, mesmo que seja em detrimento do prejuízo da maioria da sociedade. Vez que, é a sociedade em geral, oportunista. Esta premissa se justifica na verdade de que o indivíduo: ao entender que continuará com os seus direitos previdenciários, em grande parte, através de uma reforma mais branda, onde ele sairá satisfeito, e essa sua satisfação, também, quando somadas com as de outros indivíduos, dão a ilusão de que todos os lados sairão ganhando: sindicatos, associações de classes, governo, e partidos políticos.

A conclusão, pelo bom estrategista e analista político, é a de que, o indivíduo e o povo em geral, serão condicionados a perdoarem àqueles que lhes garantiram a permanência dos seus direitos. Perdoar-se-á o que advogou o contrário dos seus interesses, mas, que em momento oportuno se rendeu aos seus pares. Perdoar-se-á o governo e os roubos dos políticos que assaltaram este País, considerando que a esses que lhes assaltaram e continuam assaltando, o perdão é devido por lhes terem favorecido, individualmente, e à classe trabalhadora coletivamente. Destarte, o passado se apaga da memória da população e, restará apenas como lembranças o que é recente e presente, isto é: “a gratidão aos políticos em geral, pela luta e empenho em manter os direitos, em favor do cidadão comum e trabalhador”. Os desagrados anteriores dos parlamentares deixarão de existir em função de um suposto benefício recente e, daí, pelo perdão em razão desta percepção, o congresso já reconhecido, no geral como inoperante e indecente, se fortalece. E, este em se fortalecendo, fortalecerá, também, o governo e todos os sistemas da República, atrelados uns aos outros numa cadeia vexaminosa e arriscada em uma República onde os Poderes já se caracterizam em um único Poder, dados os processos de escolha dos dirigentes públicos e ao sistema político eleitoral. Daí, os integrantes do sistema de indecentes, em especial, os líderes da República Brasileira, irão temer o quê? É efetivamente a estratégia da salvação do sistema dominante em todas as suas instâncias, uns segurando os outros. Então, os indecentes e as indecências, continuarão como antes. Tudo como dantes!!!     
Postar um comentário