domingo, 29 de janeiro de 2017

Autocrítica na escrita. Poesia







AUTOCRÍTICA


Lima Bahia

O que não assegura meus versos:
...à publicação e ao povo conhecê-los?!...
- O medo de não fê-los métricos!?...
- A rima pobre para fechá-los em apelos!?...
Poderá, até ser, não me sentir gramático!...
Ou talvez por não ser poético!...



Os que fazem cordéis, os que fazem repentes;
Acaso não são poetas de uma gente!?...
- Então, o que me aflige no registro?
É a análise morta do exigente crítico?!...



Dos meus professores, da gramática, hoje sou mestre:
Na percepção da vida e no uso da palavra.
Arrumando eu a oração não tem quem ateste,
No cumprimento das regras, limite que me crava.



Na certeza do pouco saber da poesia...
Mas, na esperança de ser lido um dia:
Pelos olhos especulativos de alguma colega
E musas que me fizeram sentir poeta;
Permaneço sempre escrevendo e tentando
Ser poeta e, sempre, sempre, sonhando.



Sobradinho/92
Postar um comentário